quarta-feira, 21 de abril de 2010

Meme Musical Para Ficwriters

1. Escolha um personagem, fandom, casal, amigos, enfim.
2. Coloque seu programa de músicas no aleatório e comece a tocar.
3. Para cada música, escreva algo inspirado pela música de acordo com o tema que você escolhe mais cedo. Você tem apenas a duração da música. Nada de pensar antes nem escrever após a música acabar. Nada de pular músicas, também.
4. Faça 10 músicas e poste. Tenha certeza de incluir o nome da música e do artista.


(Olha, eu só trapaceei quando começou a tocar a Nona Sinfonia do Beethoven, porque simplesmente não dá pra escrever com aquela música - eu, pelo menos, não consigo)




(Adivinha o fandom. Hetalia – Axis Powers, of course)



Daqui pra Frente – NX Zero (nossa, eu ainda tenho isso no meu computador? ‘-‘)

Alfred às vezes se sentia culpado. Só queria que Arthur entendesse – ele não queria ser seu irmão.

(Ele queria ser muito, muito mais)

E quando ele quis sua independência, não era porque não quisesse mais Arthur por perto nem nada disso – era apenas que ele queria se virar sozinho, fazer as coisas por si mesmo.

(Queria apenas provar que poderia ser tão grande quanto seu irmão fora.)

E então Alfred parava e se perguntava porque Arthur não conseguia enxergar aquilo – que Alfred não precisava ser sua colônia para pertencer a ele (de corpo e alma).



Velha Infância – Tribalistas (Agora sim, música de verdade (L))

Lovino sentou-se à mesa e começou a comer seu macarrão. Antonio sentou-se bem em sua frente – mas, ao invés de comer, ficou encarando Romano, que sentiu o rosto corar. Finalmente, devolveu o olhar – com raiva, claro, ao contrário de Antonio.
“O que foi, idiota?”
Antonio abriu um largo sorriso.

“Não é nada, Lovi.” Em seguida, levantou-se e caminhou até onde Lovino estava, abraçando-o pelas costas. Encostou o rosto na curva de seu pescoço e – enquanto o italiano sentia que todo o sangue havia ido para seu rosto – riu e disse, quase cantarolando: “Eu só estava me perguntando como posso ter tanta sorte a ponto de ter você aqui comigo.”

“Idiota.” Lovino murmurou, corando mais, enquanto fingia tentar soltar-se.

(Na verdade, Lovino achava que ele é quem era sortudo por ter Antonio.)



You Don’t Mean Anything – Simple Plan (essa vai dar trabalho ._. –s)

Eu nunca quis nada disso; estava bem na minha terra, com meu povo.

Por que você tinha que vir e fazer isso?

Eu nunca quis ser como você – eu nunca quis ser europeu.

Nunca quis fazer parte da sua cultura.

Você não tinha esse direito. Não tinha.



I Kissed A Girl – Katy Perry (... /tenso)

Ucrânia não queria aquilo. Não era certo. Natalia era sua irmã. Natalia amava Ivan.

Mas então por que era tão bom ter os lábios dela colados aos seus, e as mãos dela percorrendo seu corpo e o cheiro dela lhe inebriando e lhe fazendo esquecer de tudo o que havia de errado no mundo?

E Natalia não se incomodava, ou parecia não se incomodar – e era como se ela, na verdade, só usasse sua irmã para se consolar – como se Ucrânia servisse apenas para substituir Ivan e, no fundo, ela sabia que era só isso mesmo.

(E, por mais estranho que isso soasse, Ucrânia não se importava com aquilo.)



Meu Mundo Sem Você – Hevo 84 (Nossa, fazia tempo que eu não ouvia essa música /hmm)

Roderich sentou-se ao piano e começou a tocá-lo. Elizaveta colocou-se ao seu lado, ouvindo-o tocar.

No começo, ele sentia-se meio encabulado com aquilo.

Era estranho tê-la ali, ao seu lado, depois de tudo o que eles já haviam passado juntos.

(Ele queria transformá-la em uma rainha, em uma princesa, em uma deusa, em uma musa. Ele queria dar a ela muito mais do que sua música e seu amor – queria dar a ela tudo o que ela quisesse, porque ela merecia ter o mundo a seus pés e Roderich entendia isso perfeitamente bem.)

(E ele nem imaginava que tudo o que ela queria era ser amada por ele e ouvir suas músicas todos os dias – e que só o que ele precisava lhe dar era seu amor, porque era o que ela realmente precisava.)



Set Apart This Dream – Flyleaf (FINALMENTE FLYLEAF, AEAEAE)

Ela não gostava de olhar para o passado.

Porque ela sabia que não ganharia nada com isso.

(Ele parecia um monstro – ela não se lembrava de jamais ter sofrido e apanhado tanto em sua vida; mas jamais se rendeu. Jamais se deixou vencer – mesmo ele sendo mais forte do que ela, ela não desistiu em momento algum.)

(E, agora, ela podia ver em seus olhos – que pareciam um pedaço do céu – que ele se arrependia. Ela podia perceber que ele não era um monstro, e sim apenas um garoto confuso – porque um monstro não lhe pediria desculpas, nem lhe trataria como se ela fosse feita de vidro toda vez que a vê, nem a abraçaria – deixando-a constrangida, mas, de certa forma, satisfeita – nem diria o quanto ela era a mulher mais incrível que ele já conhecera e nem sorriria como um anjo tão inocente.)




Redenção – Fresno (É, eu gosto dessa, até.)

Ivan sempre achava que Toris lhe lembrava girassóis.

E, como os girassóis, ele fugia de Ivan.

(Ele não gostava do frio de Ivan, assim como os girassóis não gostavam do frio da Rússia.)

E Ivan se perguntava como seria despedaçar Toris – provavelmente, seria como despedaçar um girassol. E isso seria muito triste.

(Mas Ivan fez questão de saber que Toris não o esqueceria – porque mesmo enquanto estivesse nos braços de outro, ele saberia que Ivan fizera parte de sua vida. Ivan estava marcado nele para sempre – dolorosamente marcado.)

(E Toris sempre temia o dia em que Ivan voltaria para buscá-lo, porque ele não queria. Mas ele sabia que Ivan estava lá, ele sabia; e ele sabia o que ele queria. E ele temia não apenas por ele, mas por quem ele amava.)

(Aquele medo era a verdadeira marca que Ivan deixara nele.)



Marukaite Chikyuu ver. China – Yuki Kaida, Hetalia - Axis Powers (... /tenso²)

Hong Kong sentia falta de China.

Não só do país.

Mas de seu irmão, também.

Sentia falta de ouvir sua voz; sentia falta de seu rosto; sentia falta de seu sorriso; sentia falta de seus cuidados; sentia falta de sua companhia.

Mas o que mais doía em Hong Kong não era a saudade.

Era a lembrança da expressão de dor no rosto de Yao quando Arthur o partiu.

(Hong Kong só queria voltar para casa para fazer Yao sorrir novamente, e para mostrar a ele que ele não estava sozinho, e que ainda tinha uma família. E sempre teria.)



Waking Up in Vegas – Katy Perry (Mas ela de novo? D:)

Arthur ficava se imaginando como poderia ser seduzido tão fácil por Francis. Claro, tecnicamente falando, praticamente todo mundo era facilmente seduzido pelo francês, mas Arthur sempre gostara de pensar que ele seria diferente.

Porém, toda vez que Francis passava os braços em sua cintura e começava a falar em francês em seu ouvido (língua que Arthur odiava na maioria das vezes), ele percebia que era tão fraco quanto todos os outros.

A diferença é que todos os outros não amavam Francis de verdade – mas Arthur não admitiria isso nem mesmo quando Francis o jogava na cama e tirava suas roupas e fazia Arthur seu – não que fosse necessário, porque Arthur já era dele, mas só naqueles momentos é que ele demonstrava isso, mesmo que contrariado.



Mein Gott (Prúsia) – Atsuhi Kousaka, Hetalia - Axis Powers (Tava demorando pra aparecer mais música de Hetalia /facepalm)

Matthew ainda não se acostumara àquilo.

Primeiro, não eram todos que conseguiam se lembrar dele – mas Gilbert conseguia, claro que conseguia; graças à Matthew ele encontrara novamente uma terra que pudesse lhe servir. E Matthew acreditava que suas panquecas tinham algo a ver com isso.

Segundo, ele quase sempre morara sozinho, e estava acostumado à paz e ao silêncio – e ter que conviver com alguém tão chamativo quanto Gilbert definitivamente era muito diferente do que aquilo.

E, terceiro, Matthew não gostava de sentir o rosto corar sempre que percebia que Gilbert o encarava, e nem da maneira como seu coração parecia disparar, às vezes, quando Prússia estava por perto, e nem da maneira como parecia precisar dele.

Matthew não se acostumara a estar apaixonado.






Pronto, acabei. Nossa, mas deu dor de cabeça. E agora, quem quiser roubar...
Foi
daqui que eu tirei.

1 comentários:

Saki Miyazawa Morgan disse...

Eu já tinha roubado, há (L)

O problema é que foi na época que eu escrevia no fandom de JRock, então só saiu drabbles de the GazettE '--'

Enfim, posso roubar de novo e q

Postar um comentário